É recorde duplo: nunca houve tanto calor no Rio. Brasil corre “grande perigo”

Publicado por: Editor Feed News
16/11/2023 11:16 AM
Exibições: 162
Divulgação/Redes Sociais
Divulgação/Redes Sociais

Onda de calor levou o Instituto Nacional de Meteorologia do Brasil (INMET) a ampliar alerta de “grande perigo” para 15 estados no dia mais quente da história do Rio de Janeiro.

 

Consumo energético em São Paulo também bateu recorde.

A cidade do Rio de Janeiro registrou nesta terça-feira uma sensação térmica de 58,5°C, a mais elevada desde que o serviço municipal de meteorologia Alerta Rio começou a monitorizar este parâmetro.

 

A medição foi realizada pela estação do Alerta Rio em Guaratiba, na zona oeste da cidade. Naquele momento, pelas 09h15, os termómetros marcavam 35,5°C.

 

Desde a chegada da onda de calor que afeta vários estados brasileiros, o Rio já tinha registado o dia mais quente do ano no domingo, dia 12, com uma temperatura de 42,5°C, e uma sensação térmica de 52 °C na manhã de segunda-feira.

 

O recorde de calor é o maior desde que o Alerta Rio começou a fazer as medições de temperatura na cidade. O órgão informa que as outras duas maiores sensações térmicas deste ano foram de 58,3 °C em 17 de fevereiro e de 58°C em 4 de fevereiro.

 

A cidade de São Paulo também registou (outra vez) o dia mais quente do ano esta terçs-feira, com 38,4ºC a serem registados às 15h na estação meteorológica do Mirante de Santana, na zona Norte da capital paulista.

 

Brasil sob alerta de “grande perigo”

O agravamento da onda de calor no Brasil levou o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) a ampliar, esta segunda-feira, o alerta de “grande perigo” para 15 estados e o Distrito Federal devido às temperaturas acima da média, estendendo assim o aviso até sexta-feira. Anteriormente, o alerta abrangia seis estados e o Distrito Federal até esta quarta-feira.

 

Na prática, o alerta realça uma temperatura 5°C acima da média por um período superior a cinco dias e recomenda que as pessoas evitem horários de sol intenso, das 11h às 15h, usem protetor solar, mantenham-se hidratadas e procurem ajuda médica em caso de mal-estar.

 

Estão agora sob alerta Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Goiânia, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraná, Piauí, Rio de Janeiro, Rondônia, São Paulo, Tocantins e o Distrito Federal.

 

O calor intenso, registado principalmente no Sudeste e no Centro-Oeste do Brasil, deve continuar ao longo de toda a semana, e a ausência de nuvens no céu torna a exposição à radiação solar e a sensação de calor ainda mais perigosa.

 

A onda de calor surge numa altura do ano em que, normalmente, a estação das chuvas já está estabelecida e as nuvens funcionam como um controlo das temperaturas. A ausência desta defesa, segundo a meteorologista do INMET, Anete Fernandes, potencia os efeitos do fenómeno climático.

 

“Quando há ausência de chuva nesta altura do ano, a que chamamos de ‘veranico’, a falta de nuvens favorece uma grande incidência de radiação na superfície, o que está a acontecer agora. Assim, as temperaturas elevam-se bastante”, explicou.

 

Consumo energético: valor mais alto da história

As temperaturas abrasadoras fizeramcom que o país atingisse, esta segunda-feira, um novo recorde nacional de consumo de energia elétrica.

 

De acordo com o Operador Nacional do Sistema Eléctrico, foi alcançado um recorde na procura instantânea de carga do Sistema Interligado Nacional (SIN), às 14h17, quando se atingiu o patamar de 100.955 megawatts (MW), com o calor a fazer disparar, nomeadamente, o uso de sistemas de ar condicionado.

 

Entre os principais impactos, especialistas destacam o aumento dos custos com energia, pelo maior uso do ar condicionado, a perda de eficiência do sector agrícola e da aviação.

 

Com informações do ZAP e  DW

Vídeos da notícia

Imagens da notícia

Tags:

Mais vídeos relacionados