Terroristas compram 2 satélites da China

Publicado por: Editor Feed News
26/10/2023 03:11 PM
Exibições: 117
Cortesia Editorial Pixabay/iStock
Cortesia Editorial Pixabay/iStock

Terroristas tem inteligência espacial própria: dois satélites foram adquiridos da China - France Presse

 

O grupo terrorista russo de Wagner comprou dois satélites a uma empresa chinesa e o direito de utilizar imagens orbitais para obter informações para a guerra contra a Ucrânia.

 

A agência France Presse tomou conhecimento dos documentos que confirmam estes factos , informa LIGA.net .

 

Segundo a AFP, de acordo com o texto do contrato, redigido em inglês e russo e assinado em 15 de novembro de 2022, a Beijing Yunze Technology Co Ltd vendeu dois satélites de vigilância à Nika-Fruit (uma das estruturas empresariais do líder do grupo de Yevgeny Prigozhin), de propriedade da gigante espacial chinesa Chang Guang Satellite Technology (CGST). Estes satélites, JL-1 GF03D 12 e JL-1 GF03D 13, estão em órbita a uma altitude de 535 km.

 

O custo dos satélites e serviços adicionais foi de 235 milhões de yuans (cerca de US$ 30 milhões).

Uma fonte de um dos serviços de segurança europeus informou que os terroristas, além das ações militares contra a Ucrânia, também utilizaram dados de satélites para operações em África e para a “rebelião” de junho.

 

Em particular, segundo fonte da AFP, no final de maio de 2023, o grupo de Wagner encomendou fotos do território russo ao longo de todo o percurso entre a fronteira ucraniana e Moscou – foi este percurso que Prigozhin fez dois meses depois para “marchar para Moscovo”.

.

A fonte afirma ainda que o contrato ainda está em vigor.

Como observaram especialistas entrevistados pela agência, o fato de Prigozhin ter sido forçado a recorrer à China mostra que a Rússia, apesar da sua reputação de "potência espacial", já não tem tais oportunidades.

 

Segundo a agência, os serviços de inteligência dos EUA sabiam da existência de tal contrato.

Em 24 de fevereiro de 2023, o Departamento de Comércio dos EUA impôs sanções contra a Beijing Yunze Co. Tecnologia com a expressão "por contribuir para a base militar e/ou industrial de defesa da Rússia e participar em atividades contrárias aos interesses da segurança nacional e da política externa dos Estados Unidos".

 

Em 12 de abril, o Departamento de Estado dos EUA também impôs sanções contra a empresa Head Aerospace Technology como intermediária na venda de imagens de satélite a organizações associadas ao grupo Wagner e Yevhen Prigozhin.

 

Especialistas entrevistados pela agência divergiram sobre se a alta liderança da China sabia do contrato. Alguns especialistas afirmam que não poderia ter sido assinado sem a sanção do líder Xi Jinping, outros acreditam que o nível de centralização do sistema de tomada de decisão deste tipo na China não deve ser sobrestimado.

 

Conforme relatado, a China forneceu à Rússia chips militares no valor de 570 milhões de dólares .

 

Com informações da Agência PRM (UA)

 

Vídeos da notícia

Imagens da notícia

Tags: