Como ter longevidade japonesa? Descubra o segredo

Publicado por: Editor
22/08/2023 11:32 AM
Exibições: 62
Cortesia Editorial Pixabay
Cortesia Editorial Pixabay

Habituar-se a um estilo de vida ativo poderia ser um grande desafio, se não estivesse ao seu alcance.

 

O Japão – um dos países do Mundo com maior esperança média de vida – mostra quão simples é.

Manter um estilo de vida ativo e saudável, à medida que envelhecemos pode parecer um desafio, especialmente para aqueles mais limitados, em termos de tempo e finanças… mas não passa do “parecer”.

 

O Japão, conhecido pelo elevado número de centenários e por ser um dos países do Mundo com maior esperança média de vida, mostra que é simples.

 

Um estudo recente, consultado pelo The Jerusalem Post, revelou que mais da metade dos japoneses entre os 20 e 60 anos pratica pouco exercício físico intenso. Contudo, a população japonesa caminha, em média, 6.500 passos por dia, ultrapassando a média global – e é suficiente.

 

Caminhar – uma atividade bastante simples – reduz significativamente o risco de doenças graves e mortalidade. Além disso, atividades como jogging e ciclismo – exercícios percebidos como “esforço casual” – também têm efeitos benéficos duradouros para a saúde.

 

É ainda fundamental não perder muita massa muscular. Estudos apontam que há uma queda de até 8% por década após os 30 anos. No entanto, exercícios baseados no peso corporal, como flexões e agachamentos, podem contrariar essa tendência.

 

Um artigo de Harvard, citado pelo The Jerusalem Post, revelou que indivíduos com mais de 60 anos que incluíram este tipo de exercícios nos seus planos de treino tiveram um aumento médio de 15% na massa muscular, em 10 meses.

 

Além disso, para manter a motivação, é fundamental variar a rotina. Isso pode significar aventurar-se em novas atividades ou hobbies. Novas experiências e desafios auto-impostos resultam numa maior motivação para o exercício.

 

Finalmente, a maneira como nos conhecemos pode influenciar a nossa capacidade de manter um estilo de vida ativo. As crenças subconscientes, como por exemplo: autodenominarmo-nos como “preguiçosos” ou achar que estamos demasiado ocupados, podem ser obstáculos.

 

Ou seja, os benefícios vão além da saúde física: reduzir o stress, melhorar a qualidade do sono e aumentar os níveis de energia com uma refeição equilibrada são outros fatores fundamentais.

 

Mantermo-nos ativos à medida que se envelhece é não só possível como benéfico, e não requer necessariamente grandes investimentos financeiros ou horas no ginásio. A chave está na consistência, abertura a novas experiências e numa mentalidade positiva.

Contéudo produzido pela Agência Planeta ZAP (PT)

Vídeos da notícia

Imagens da notícia