ARTIGO - Barbie e a onda rosa chata-choque

Publicado por: Editor Feed News
22/07/2023 08:00 PM
Exibições: 37
Cortesia Editorial Pixabay
Cortesia Editorial Pixabay

Por Marli Gonçalves

 

Estou bem confusa com essa onda rosa do lançamento do filme Barbie, que nos encharca e busca trazer no rol de sua importância o empoderamento feminino para apaziguar – só pode ser - os interesses comerciais. Não, não vi o filme, nem é uma crítica a ele, mas à massacrante forma de massificação de momento de uma informação, de um produto que já já já vai estar passando na tevê, e outras ondas virão.

 

Olhe ao seu redor. É cor de rosa-choque. Não provoque, diria Rita Lee. Tudo, vitrines, roupas, pessoas, cabelos, casas, exemplos, clones, sósias. E notícias. Chega a ser enjoativa a pressão para a aceitação atual da mocinha que, embora com mais de 60 anos não perdeu a forma, a cinturinha, o frescor da pele, a energia, não tem cólicas nem sofre com a menopausa como acontece às mulheres de pele e osso que talvez até um dia de suas infâncias tenham brincado com a boneca Barbie, desejado ser ela, assim, quando crescessem. Até andam tentando, com mil intervenções.

 

Antes, todas as bonecas eram personificações de bebês e crianças, para apenas desejarem ser mães, papel que ainda hoje é severamente imposto às mulheres. Barbie já era adulta quando nasceu, modelo, com seus seios firmes, pernas longas, intensa atividade social e até romântica quando inventaram o Ken, seu namorado plastilina. Chegou com vários cabelos, o armário recheado de roupas, os sapatinhos, a casa, os objetos, tudo que rapidamente virou o incrível e rentável Universo Barbie. Tudo rosa, tão rosa, a cor associada às mulheres, e ainda escolhida a mais intensa, o rosa-choque, cor criada em 1931 pela designer italiana Elsa Schiaparelli, magenta com poucas adições de branco.

 

Lá vem a magrela, seus vestidos, acessórios, tudo rosa e tudo muito caro para qualquer padrão e é assim desde o lançamento da Barbie, em 1959. No cinema agora, personificada literalmente e muito bem pela adorável e bela atriz Margot Robbie, o filme é um dos maiores golpes (no sentido de vendas) de marketing dos últimos tempos. Mas incomoda a pressão para fazer descer pela goela que, além de tudo, Barbie é feminista. Desculpem, mas feminista não é, não foi, nem será. Ela é uma boneca. E, sendo assim, manipulável em tudo, atos e propostas.

 

A realidade é bem diferente. Até para a boneca que no filme um dia acorda alarmada com os seus pés no chão, retos, ao contrário daquele já moldado para os elegantes e variados sapatos de salto alto. Pressente que precisa ir ao mundo dos humanos dar uma olhada no que acontece e que a está transformando. Por aí, vai. Já pensaram se os brinquedos refletissem mesmo o que se passa no nosso mundo? As fábricas nem dariam conta, muito menos de acompanhar de verdade as vitórias feministas nessas décadas.

 

Barbie é realmente um fenômeno. Criada inspirada em uma boneca adulta feita, acreditem, para homens, a erótica alemã Bild Lilli, foi um sucesso estrondoso de vendas. Sempre envolta em críticas e polêmicas. Polêmicas que fizeram com que o seu fabricante ganhasse ainda mais ao desenvolver novos tipos de Barbies que ainda pipocam para a alegria dos colecionadores: pretas, profissionais da mais diversas áreas, não só loiras ou morenas, mais rechonchudas, baixinhas, por aí vai. Trocam suas roupas, mudam a cor do plástico. Já há Barbies com deficiência, adaptadas em cadeiras de rodas, yogis, maleáveis, e até já surgiu a Barbie trans. Fora as Barbies dedicadas a celebridades, e as muitas amigas da Barbie que foram aparecendo como coadjuvantes.

 

No Brasil, lembro bem quando em 1966 surgiu a sua “correspondente”, a Susi, mais barata, menos metida, com roupinhas mais simples, uma feição menos famélica. O namorado era o Beto, horroroso. Tive uma Susi. Até o nome Susi, assim, com i, mais simples. Se fosse com Y, creio, teria mais glamour. (Parênteses: sempre adorei o Y, com o qual achei que era o meu nome até os 17 anos quando descobri na certidão que havia sido registrada com “i”, Marli, e fiquei com medo de, aprovada no vestibular, não aceitassem minha inscrição com y, como meu pai sempre escreveu, nunca mudou, até a sua morte, aos 98 anos. Já que sou Marli na vida, adoraria ser Marly, mas isso já é outra história).

 

Voltando à Susi, tadinha, viveu até 1985; Barbie decaiu, ela foi junto. Até voltou a ser relançada, anos depois, em 1997. Voltou mais magra, com peitos maiores e roupas mais chiques, mas nunca mais foi a mesma.

 

Enquanto isso, agora, vamos nadando no rosa-choque, nas fotos dos locais instagramáveis, no povo posando dentro de caixas gigantes da boneca. Pelo menos está engraçado. A Ana Maria Braga que apareceu toda de Barbie será uma imagem inesquecível. Até porque bem mais verdadeira como gente que passou mesmo por tudo nesses anos.

 

MARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano - Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto. (Na Editora e na Amazon). marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

Vídeos da notícia

Imagens da notícia

Tags:

Mais vídeos relacionados