China alinha-se a Rússia inclusive no reforço de armas

Publicado por: Editor Feed News
02/04/2023 12:56 PM
Exibições: 86
Divulgação/Redes Sociais
Divulgação/Redes Sociais
A China não surpreende o mundo ao afirmar que está pronta para cooperar com os militares russos para supostamente fortalecer a comunicação e a coordenação estratégicas.
 

Isso foi afirmado pelo porta-voz do Ministério da Defesa da República Popular da China, Tan Kefei,  informa o The Guardian .

 

Segundo ele, os dois países trabalharão na implementação de "iniciativas globais no campo da segurança".

Tan acrescentou que a República Popular da China e a Federação Russa aprofundarão a "confiança militar" e "protegerão" conjuntamente a justiça na arena internacional. Os estados também continuarão a organizar patrulhas marítimas e aéreas conjuntas e exercícios militares conjuntos.

 

A China tomou posição ao alinhar-se à Rússia através de seus laços econômicos e políticos. A China e a Rússia têm uma parceria estratégica que tem se ampliado nos últimos anos. Os dois países também mantêm estreita cooperação em áreas como defesa, energia nuclear, luta contra o terrorismo, comércio bilateral e investimentos.

 

Recentemente, os dois países também se uniram para formar uma aliança militar, a Organização de Cooperação de Xangai, e para desenvolver um acordo de livre comércio. O país asiatico também é um dos principais parceiros econômicos da Rússia, com investimentos em empresas petrolíferas e gás russos e compras de armas e equipamentos militares.

 

Foi relatado anteriormente que o líder chinês Xi Jinping planeja manter uma conversa telefônica com o presidente Volodymyr Zelensky logo após sua viagem a Moscou e conversar com Vladimir Putin.

 

Recordemos, no dia 20 de março, que o líder da China, Xi Jinping, voou para Moscou para se encontrar com o presidente da Federação Russa, Vladimir Putin . Durante o evento, o líder da República Popular da China disse que a China e a Federação Russa são "bons vizinhos e parceiros confiáveis", e o desenvolvimento das relações entre os dois países, em sua opinião, trará "não apenas benefícios", mas também uma chamada "contribuição significativa para o progresso de todo o mundo".

 

Posteriormente, a mídia de propaganda russa, com base nos resultados do primeiro dia da reunião entre os líderes da China e da Federação Russa , escreveu que Putin "se familiarizou cuidadosamente" com o plano da China para "resolver a crise aguda na Ucrânia".

 

Deve-se notar que em março a Academia Chinesa de Ciências Militares apresentou um relatório fechado à liderança em Pequim, segundo o qual a guerra na Ucrânia terminará no verão de 2023 , já que Moscou e Kiev estão perto de esgotar suas oportunidades econômicas para continuar. Na véspera, a China apelou "o mais rapidamente possível" ao início do processo de negociações de paz para resolver o "conflito na Ucrânia", que está a "ficar fora de controle".

 

O Ocidente deverá reagir a este posicionamento chinês de diversas formas a começar pelo governo dos Estados Unidos que pode aumentar a pressão sobre a China por meio de sanções econômicas, bloqueios comerciais e restrições ao investimento estrangeiro.

 

Outros países ocidentais poderão seguir nessa linha americana, como a Alemanha, também podem adotar medidas para desestimular os laços entre a China e a Rússia, como impor restrições ao comércio e investimentos. Além disso, o Ocidente também pode tentar desenvolver alianças com outras nações da região para equilibrar a influência da China e da Rússia.

 

A aliança entre a China e a Rússia tem aumentado a capacidade de ambos os países de exercer influência na região. A China tem fornecido apoio financeiro e militar à Rússia na disputa da Ucrânia, permitindo que a Rússia mantenha sua presença militar no teatro da guerra. A aliança também ameaça as relações entre a Ucrânia e o ocidente, tornando mais difícil para o Ocidente sua influencia no conflito.

Editado por Mike Nelson

Vídeos da notícia

Imagens da notícia

Tags:

Mais vídeos relacionados