OTAN não permitirá que Putin vença a guerra contra a Ucrânia

Publicado por: Editor
26/10/2022 02:46 PM
Exibições: 4
Divulgação/Internet
Divulgação/Internet

A OTAN não permitirá que Putin vença a guerra que ele iniciou contra a Ucrânia e fornecerá assistência às Forças Armadas pelo tempo que for necessário.


Isso foi afirmado pelo secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, em uma entrevista coletiva após uma reunião com o primeiro-ministro romeno, Nicolae Chuke, em resposta a um pedido de jornalistas para prever quanto tempo a guerra da Rússia contra a Ucrânia pode durar, relata o Ukrinform .

 

"A guerra é imprevisível por natureza, então não vou especular (sobre as previsões - ed.) quanto tempo essa guerra vai durar. Direi apenas duas coisas. Estamos prontos para apoiar a Ucrânia enquanto for necessário. Não podemos permitir que o presidente Putin ganhe esta guerra - seria um desastre e uma tragédia para os ucranianos, e também nos tornaria aliados da OTAN mais vulneráveis. Porque então o presidente Putin pode concluir que pode alcançar seus objetivos com a ajuda da força militar. Nesse caso, essa lição seria aprendida não apenas por ele, mas também por todos os líderes autoritários do mundo", enfatizou Stoltenberg.

 

Ele lembrou que a guerra não começou em fevereiro deste ano, mas muito antes - quando em 2014, o presidente Putin anexou ilegalmente a Crimeia e assumiu o controle das regiões do leste da Ucrânia. Em fevereiro, houve uma escalada de agressão em grande escala, que se transformou na guerra agressiva da Rússia contra a Ucrânia.

 

"Durante as últimas semanas e meses, os ucranianos alcançaram um sucesso significativo. Eles conseguiram expulsar as forças russas do norte, do território ao redor de Kyiv, e impediram a ofensiva russa em Donbas. Agora eles continuam a empurrar para trás as forças russas, libertando territórios na região de Kharkiv, no Donbas, e também no sul. Este é um exemplo da coragem e heroísmo das Forças Armadas ucranianas, do povo e da liderança política da Ucrânia, e nós lhes prestamos grande respeito", observou o líder da OTAN, observando que o apoio da Aliança, países membros e parceiros foi "muito importante" para alcançar esses resultados.

 

Em relação à segunda mensagem, ele observou que todas as guerras terminam principalmente na mesa de negociações. Ao mesmo tempo, é óbvio que os resultados de tais negociações, que convém à Ucrânia, dependem inteiramente de sua força no campo de batalha. Portanto, a OTAN deve fortalecer a posição negocial da Ucrânia fornecendo ajuda militar, e isso está sendo feito atualmente pelos aliados da Aliança.

 

"Temos que maximizar a probabilidade de resultados que serão aceitáveis ​​para a Ucrânia e minimizar o tempo para alcançá-los. Quanto mais fortes os ucranianos estiverem no campo de batalha, mais oportunidades surgirão para uma solução política que garantirá a vitória da Ucrânia e sua preservação como um estado europeu soberano e independente", enfatizou o secretário-geral da Otan.

 

Ele observou que Putin está atualmente perdendo uma guerra brutal contra a Ucrânia e está respondendo a seus fracassos no campo de batalha com ataques a civis e infraestrutura civil, bem como uma retórica nuclear perigosa. Stoltenberg chamou o absurdo das tentativas da Rússia de acusar a Ucrânia de supostamente se preparar para usar uma "bomba suja" em seu próprio território e enfatizou que os aliados negam veementemente essas falsas acusações.

 

"A OTAN não se deixará intimidar ou forçar a recusar assistência à Ucrânia no exercício de seu direito de autodefesa. Faremos isso pelo tempo que for necessário. "Toda semana, as forças ucranianas estão se tornando mais fortes e melhor equipadas", disse o chefe da Otan.

 

Recorde-se que anteriormente o Secretário-Geral da OTAN declarou que a Aliança realizará exercícios anuais regulares de dissuasão nuclear tendo como pano de fundo as repetidas ameaças do Presidente russo Vladimir Putin de utilizar armas nucleares.

 

Enquanto isso, o general aposentado Ben Hodges, ex-comandante das forças terrestres dos EUA na Europa (2014-2017), garantiu que os Estados Unidos têm uma longa lista de "opções devastadoras" para as forças armadas russas caso Vladimir Putin decida usar armas nucleares contra a Ucrânia.

 

Em vez disso, como disse o alto representante da UE para assuntos externos, Josep Borrell, se o Kremlin ainda ousar usar armas nucleares, a resposta do Ocidente será não nuclear, mas tal movimento da Federação Russa levará a um " poderosa resposta militar" .

 

Além disso, o presidente dos EUA, Joe Biden, acredita que Putin não se atreverá a usar armas nucleares na guerra na Ucrânia. No entanto, ele afirmou anteriormente que, nos últimos 60 anos, o mundo chegou o mais próximo possível de uma catástrofe nuclear.

 

Deve-se notar que a Polônia iniciou negociações com os Estados Unidos sobre a participação no programa de uso conjunto de armas nucleares para combater as ameaças da Rússia.

 

Segundo Vodnoas, especialista em segurança nuclear do Instituto da ONU na área de desarmamento, a Rússia não poderá usar armas nucleares imediatamente após a ordem de Vladimir Putin , porque leva tempo para entregar as ogivas aos lançadores.

Com informações do PRM UA

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Vídeos relacionados